domingo, 22 de julho de 2012

Carrie, A Estranha - Stephen King



Devo começar dizendo que há um tempão queria ler esse livro, até que o ganhei de presente da Lari, uma amiga muito querida que conheci pela internet. Só que ainda me faltava tempo para lê-lo. Mesmo sendo férias, ainda não tinha tempo (leituras obrigatórias para o vestibular, estudos), mas resolvi me dar ao luxo de ler. E a sensação que tenho agora é de vazio: a leitura não correspondeu as minhas expectativas.

Não achei o livro de todo ruim. Ao contrário, é bom, te distraí, a leitura é rápida, fácil e a história é criativa, bem elaborada. Só que eu acho que poderia ter sido bem mais. Poderia ter sido muito melhor. A escrita dele é clara e precisa, só não curti muito aquelas interrupções entre sentenças que ele fez, colocando parênteses para expressar o que a Carrie estava pensando no momento, a sensação dela. Isso tira bastante o foco e confunde; não muitas vezes tive que ler parágrafos inteiros novamente. Apesar da intenção do autor ter sido inovar, eu não gostei.

Sem falar que o livro tem um erro grotesco: desculpem-me agora, mas vou fazer um spoiler bem básico (já que não dá pra apontar o erro sem o fazê-lo):

- AVISO DE SPOILER -
No começo do livro, percebemos que a Margaret (mãe da Carrie) tem uma primeira gravidez malsucedida – parece que ela abortou a criança pelo simples fato desta ter sido concebida antes do casamento – e o Ralph (marido dela e pai da Carrie) ainda estava vivo; só que antes de morrer, ele a engravidou mais uma vez e logo em seguida morreu, ou seja, Margaret teve Carrie sozinha (isso está bem claro na história). Só que no meio do livro, quando Margaret está esperando Carrie voltar do baile para matá-la, ela relembra que quando Carrie era bebê, ela já dava sinais da telecinésia, quando fez uma mamadeira levitar. Nesse momento, ela quis matar Carrie, mas foi contida por Ralph. Tipo, como assim? Ela foi contida por um defunto, alguém que já tinha morrido? O livro explica exatamente dessa maneira.
- FIM DO SPOILER -

Achei estranho um erro tão grosseiro como esse ter passado batido, o que fez com que mais alguns pontos fossem perdidos comigo.

Quando eu tiver mais tempo, provavelmente lerei mais algum livro do Stephen King para avaliar melhor – até porque é covardia avaliar um autor por um único livro – mas eu achei essa estreia dele muito infeliz. A história é legal, mas não passa disso. Acho que o livro poderia ter tido um pouquinho mais de terror, algo mais de sobrenatural, inspirar mais medo, algo assim. Pensei que perderia o sono, mas não achei nada demais, mesmo. Para um autor tão aclamado como ele é o livro chega a ser fraquinho. Desculpe, mas é o que acho. Três estrelinhas porque é legal, distraí, é criativo, mas só.

Um comentário:

  1. Que pena que vc não gosteou do livro, eu ainda nã li nada do Stephen King e quero começar por Carrie por ser mais suspense do que um terror, eu quero me acostumar com o ritmo do King, depois de ler ele, mesmo que eu não goste eu vou ler outros livros dele, como O Iluminado e Celular, que eu quero ler faz séculos.
    Abraços.

    http://viciadoemlivrosefilmes.blogspot.com/

    ResponderExcluir