sábado, 28 de janeiro de 2012

Dia 27 de Janeiro – Dia internacional em memória às vítimas do Holocausto


Olá pessoal! Já passou da meia-noite há alguns minutos, mas eu não poderei deixar passar um dia como esse em branco. Pra quem não sabe, hoje fazem exatos 67 anos da libertação do maior campo de concentração e extermínio que existiu durante a Segunda Guerra Mundial: Auschwitz. O dia da libertação do campo é lembrado por judeus do mundo inteiro com orações e homenagens. O blog também irá prestar sua homenagem à esse dia com uma postagem literária especial com bons livros sobre o assunto que não são muito populares, mas merecem ser lidos. Além de não serem muito compridos, são de linguagem fácil e acessível. Vale muito a pena conferir!

*** Nota: todos os livros resenhados são histórias reais. ***

Inverno na Manhã – Janina Bauman

Esse é um dos melhores livros que já li sobre o assunto. Nele, a menina polonesa Janina Bauman (atual esposa do famoso sociólogo polonês Zygmunt Bauman) narra todos os artifícios que ela e sua família tiveram que usar para fugir das garras dos nazistas e escapar da deportação aos campos de concentração. Esse livro se parece muito com outros dois ótimos livros sobre o assunto, como O Diário de Anne Frank e A Guerra de Clara, pois também foi escrito em forma de diário. O livro possui uma linguagem bem clara e singela, que comove e prende ao mesmo tempo. Janina narra as privações que ela e sua família sofreram no gueto de Varsóvia, as constantes fugas para diversos esconderijos e os diversos momentos em que ela e sua família estiveram por um fio de serem pegos e levados diretamente para a morte. Além de ser uma ótima referência histórica, é um livro que com certeza irá te marcar.

O Pianista – Wladyslaw Szpilman

O Pianista também se assemelha ao livro “Inverno na Manhã” em um quesito: o autor também não foi deportado para um campo de concentração, mas nteve de enfrentar tudo ao lado de sua família e narrou todas as suas lembranças do gueto. Tem um filme sobre esse livro – é o filme mais fiel ao livro que já vi – que é muito bom, aposto que a maioria já viu, mas vale a pena ler o livro, que é bem melhor apesar dos pesares. Nele, Szpilman narra a triste realidade do gueto de Varsóvia de um ponto de vista que se difere do relato de Janina – autora de “Inverno na Manhã” – pois é uma narrativa mais crua e sem rodeios. Seu relato comove e ao mesmo tempo emociona, pois ocorrem tantas coisas em tão pouco tempo que você não faz a menor ideia do que está por vir. E é com essa angústia, com medo do inesperado, que Szpilman sobreviveu milagrosamente nas ruínas de Varsóvia até os soviéticos libertarem a cidade. Logo após o levante do gueto de Varsóvia, Hitler mandou os alemães destruírem o gueto e arrasarem a capital polonesa. Não sobrou praticamente ninguém enquanto os nazistas destruíam a cidade, mas Szpilman conseguiu sobreviver em meio às ruínas e ainda relata a história do oficial alemão que o ajudou. No final do livro, ainda há o diário desse oficial, que tinha um grande senso humanitário, provando que nem todos os alemães eram iguais. Quem ainda não leu o livro, está perdendo tempo. Sem dúvida é um dos melhores que já li.

A Sobrevivente A21646 – Tailor Diniz

Esse livro é bem pouco conhecido, mas é bem interessante. Narra a história de Hertha Spier, uma senhora polonesa que sobreviveu a diversos campos de concentração e extermínio e hoje em dia vive aqui em Porto Alegre. Além de ter vivido no gueto judaico, ela esteve no campo de Plaszow (o campo onde Oskar Schindler salvou milhares de vidas), Auschwitz e Bergen-Belsen (o campo onde Anne Frank morreu). Ela foi a única de sua família que sobreviveu ao Holocausto e seus relatos são carregados de sentimentos e recordações boas de seus entes queridos, apesar de todo o horror que vivenciou e foi obrigada a presenciar. Ah, uma curiosidade: sabem por que o livro tem no título uma letra acompanhada dessa sequência de números? Porque esse é o número que está tatuado em seu braço. Hertha Spier foi a prisioneira A21646 de Auschwitz e por isso o livro tem esse nome. Apesar de ser um livro antigo e não muito fácil de ver por aí, recomendo para todos, pois é um precioso relato que não é muito conhecido.

Olga – Fernando Morais

Esse é um livro que todo mundo conhece. O filme é legalzinho, a atuação da Camila Morgado é impecável, mas o livro é sempre superior à adaptação cinematográfica, não tem jeito. O começo do livro é um pouco arrastado, fala da Coluna Prestes e de toda sua peregrinação, mas assim que o livro começa a narrar a história de Olga Benario, de sua juventude até sua morte, o livro pega um ritmo bem envolvente e você fica na expectativa para ver o que acontecerá a seguir. Infelizmente essa história não tem um final feliz, mas é um ótimo livro. Olga foi uma mulher admirável que merece ter sua história conhecida e não deve ser esquecida em hipótese alguma.

Há outros livros muito bons sobre o Holocausto e a Segunda Guerra Mundial que já foram resenhados aqui no blog. Confere aí!


Enigmas e Mistérios da Segunda Guerra Mundial 

Eu Sou o Último Judeu
A Chave de Sarah

Apátrida
A Mala de Hana e Escondendo Edith (Coleção Holocaust Remembrance)
Operação Valkíria
Auschwitz - O Testemunho de um Médico

Pessoal, por hoje era isso. Espero que tenham gostado da minha homenagem às vítimas do Holocausto com essas dicas de livros que nos ajudam a não esquecer esse terrível e sombrio capítulo da história. Pretendo fazer mais postagens assim com dicas porque geralmente são as que vocês mais gostam né? Sempre bomba! Deixem comigo, acompanhem e em breve vocês verão! Beijos!

3 comentários:

  1. Pronto, vc me fez aumentar 3 livros na lista de "vou ler" hahahaha...
    Adorei! E eu sou doida pra ler O Pianista, não sei pq não fazia parte da minha lista ainda! =/
    Vc já leu A Vida em Tons de Cinza?
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Olha, Karen, juro que não sabia mesmo dessa data! Gosto muito de literatura sobre a segunda guerra, em especial sobre o nazismo. Tem dois livros em especial nessas suas dicas que vão pra minha lista!

    Beijos
    [http://atravesdaspaginas.blogspot.com]

    ResponderExcluir
  3. Eu gosto bastante de ler sobre a 2ª guerra mundial e principalmente o holocausto, não, eu não fico bem em saber o que aconteceu com aqueles milhares de judeus e acho importante que eu e todo mundo saiba do que aconteceu para então evitarmos que a história se repita. Essa é a pior parte, não consigo não me emocionar depois de ler um livro ou assistir um filme que fale desse período por saber que ele não é apenas imaginação, que aconteceu mesmo. A maioria dos livros que você falou no post eu não li apesar de já ter ouvido falar de alguns, vou ver se os encontro pra ler!

    ResponderExcluir