sábado, 7 de janeiro de 2012

Dia 07 de Janeiro – Dia do Leitor


Olá, pessoal! Parabéns para todos nós! Sim, porque nós merecemos. Afinal, hoje é o nosso dia! E para comemorar essa data tão especial para a gente, resolvi fazer uma resenha diferente hoje. Já que estamos no dia do leitor, que tal falarmos sobre o começo de cada um nesse mundo tão incrível que é a leitura?

Bom, o meu começo na leitura foi bem cedo. Eu fui uma criança muito curiosa e desde pequena sempre me interessei por leitura. Mas não foi algo que nasceu comigo, que despertou dentro de mim do nada... Eu tive uma fonte de inspiração muito grande, um ótimo incentivo: minha mãe.

É importante frisar que minha mãe nunca me obrigou a nada. Se você quer incentivar alguém a ler, nunca se deve obrigar a pessoa, mas sim incentivar. Eu mesma incentivei meu melhor amigo a ler, mas nunca o obrigando e sim usando de bons argumentos de que a leitura era algo importante e saudável. Dizem que sou ótima com argumentos e que convencer as pessoas é o meu forte – Talvez por isso eu queira cursar Direito, hehe – mas não tenho duvidas de que ele percebeu o impacto que a leitura causava em mim e por isso também se inspirou a ler.

Eu sempre via minha mãe lendo. Minha mãe é uma grande leitora: ela leu todos os livros da Agatha Christie, Sidney Sheldon, Dan Brown e muitos outros autores que você possa imaginar. Mas os livros que ela lia que mais despertavam minha atenção eram, sem dúvida, era os da série Harry Potter.

Além de ver minha mãe lendo esses livros, ela sempre me levou à biblioteca pública da cidade juntamente com ela. Nós sempre fomos uma família humilde, por isso nem sempre minha mãe tinha condições de me presentear com livros – a prioridade era sempre roupas. Mas seus atos espontâneos e naturais, sem dúvida, me incentivaram demais.

Como o incentivo já tinha sido dado, coube a mim mesma prosseguir com ele. Li meu primeiro livro “sério” aos 11 ou 12 anos, não lembro direito. Esse livro era “O Diário de Anne Frank” e desde então não parei mais. Tanto que Anne Frank é uma das minhas maiores inspirações na vida, junto com minha mãe, é claro.

Bom, esse foi o meu começo na leitura... Hoje eu sou capaz de dizer que a leitura só proporcionou coisas boas na minha vida. A leitura é a atividade que mais aprecio e que mais me dá prazer. Posso dizer que me encontrei nos livros. Os livros me trouxeram grandes amigos, me proporcionaram momentos incríveis, muitas risadas e também muitas lágrimas. Os livros me trouxeram muito conhecimento e muita cultura. A leitura é algo essencial para mim, é algo que não sei viver sem.

Eu fico me perguntando se eu teria sido essa leitora tão voraz caso minha mãe não tivesse me incentivado... A leitura é algo que não nasce com nós, não é um hábito – ou um vício – que já vem do berço... É algo que se conquista, não importa como. E hoje eu vejo o quanto minha mãe me ajudou nessa conquista.

Minha mãe é empregada doméstica, não possui escolaridade completa, mas já leu muita coisa nessa vida. Acreditam que uma antiga patroa da minha mãe, que tinha nível superior e tudo o mais, duvidou que ela já tivesse lido tantos livros assim, só por ser empregada doméstica? A leitura é algo para todos. Não é privilégio dos intelectuais, dos ricos ou dos poderosos.

Atualmente eu tenho 16 anos. Durante todos esses 16 anos, quando minha mãe chega do trabalho, eu vejo os livros que ela carrega junto com ela diariamente. Ela sempre me lembra de que sou o maior orgulho dela, de que devo estudar muito para não ter a mesma vida sofrida que ela teve. Se Deus quiser em breve estarei formada e serei uma grande profissional, mas nunca vou esquecer a minha maior inspiradora e tudo que ela teve de enfrentar por mim. Sempre pego na mão dela e digo: “mãe, tudo que você passa será recompensado, ainda vou te dar muito orgulho.” Ela sempre me lembra de que já sou um grande orgulho. Mas sinto que posso ser mais. Posso ser mais por tudo que já fez, faz e ainda fará por mim. Uma dessas coisas foi a leitura. A leitura me ensinou muitos valores dos quais ela nem precisou me ensinar – apenas mostrou-me o caminho e eu o segui. Foi assim que aprendi o mais essencial da minha vida: não importa por qual motivo você leia, quem o tenha inspirado ou a razão. Se você simplesmente já o faz, pode se considerar privilegiado.

A leitura é um privilégio para todos, mas nem todos ainda o descobriram. É algo onde não há preconceitos e barreiras, basta querer.

Feliz Dia do Leitor. Parabéns para todos nós, especialmente para a Maria Cristina Rodrigues Pereira, a leitora mais linda do mundo inteiro.

                  

9 comentários:

  1. Que lindo Karen!!!
    Dê um grande bjo e Parabéns para sua mãe.
    Como a sua, a minha tb foi (e é) a minha inspiração para ler, debater e aprender sempre. Ela e minha irmã me davam livros e brincavam com a leitura. Tanto a minha mãe professora de colégio público como a sua empregada doméstica merecem todo o respeito, amor e devemos sempre ser orgulhosas delas!!
    Nosso amor e agradecimento às nossas mães, somos e que somos graças a elas!!
    Parabéns pela sua!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Que legal, com certeza um texto inspirador.
    Em algum momento farei um texto semelhante, porque realmente gostei da ideia. ^^

    Acompanharei seu blog.
    Muito sucesso, e continue lendo muito! =)

    ResponderExcluir
  3. Realmente linda a relação que você tem com sua mãe! =)
    Sabe que meu primeiro livro "sério" também foi O Diário de Anne Frank?! Ainda tenho esse livro, na estante e na memória, guardado com mt carinho. (Na verdade, bem antes de lê-lo, li Fernão Capelo Gaivota, mas era tão novinha que não entendi bulhufas na época e nem me lembro do que se trata hahaha!)
    Sempre gostei de ler desde que me entendo por gente. Mas não sei de onde veio isso, minha família sempre me incentivou, mas eles mesmos nunca foram de ler muito. De fato, foram raras as vezes que vi meus pais com um livro.
    Parabéns pelo blog!

    Bjão,
    escrevendoloucamente.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. O texto é inspirador, a relação com sua mãe é inspiradora, e o blog é de uma excelente qualidade.
    Acompanharei sempre!

    Bjos e sucesso!

    http://www.fernandamunizapenaspensamentos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Venho visitar o seu blog e a primeira coisa que vejo é um texto como esse, fiquei maravilhada.

    Adorei o seu texto, é muito legal saber que o seu principal incentivo seja sua mãe. Concordo quando disse sobre não valer a pena obrigar as pessoas á ler, o certo é incentivar mesmo, quando se obriga a pessoa acaba sentindo mais 'repulsa' do que desejo pelos livros..

    E todos temos o direito á leitura independente do que somos e do que fazemos, como disse a Fernanda aí em cima, o texto é inspirador. Parabéns ;D

    Bjão;*
    Naty.

    ResponderExcluir
  6. Nossa, adorei o texto, muito inspirador. Minha mãe infelizmente não me dá muito incentivo, mas não ligo rs.

    Beijos
    http://linhasdeencanto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Olá Anne!
    Gostei demais do texto!
    Que sorte a sua ter uma mãe que gosta de ler! A minha não gosta muito, quem sempre me incentivou foi a minha vó! *-*
    É a primeira vez que visito o seu blog, ficaríamos super felizes com a sua visita
    ao nosso blog também, te convido para conhecê-lo ^^

    Beijos!
    Elidiane - Leitura entre amigas
    leituraentreamigas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Maravilha!
    Uma salva de palmas a sua mãe!

    Ótimo texto,ótimo blog!
    Beijos
    http://pensamentosdeumacademica.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Parabéns, se continuar do jeito que esta, você ainda vai longe pode ter certeza...

    Quando li sua resenha de apátrida, achai ser uma resenha de uma pessoa formada em letras ou algo similar, quando li que você tem 16 anos fiquei impressionado, parabéns !!!!

    Continue assim, você tem uma mãe incrível !!!

    ResponderExcluir