sábado, 28 de janeiro de 2012

Dia 27 de Janeiro – Dia internacional em memória às vítimas do Holocausto


Olá pessoal! Já passou da meia-noite há alguns minutos, mas eu não poderei deixar passar um dia como esse em branco. Pra quem não sabe, hoje fazem exatos 67 anos da libertação do maior campo de concentração e extermínio que existiu durante a Segunda Guerra Mundial: Auschwitz. O dia da libertação do campo é lembrado por judeus do mundo inteiro com orações e homenagens. O blog também irá prestar sua homenagem à esse dia com uma postagem literária especial com bons livros sobre o assunto que não são muito populares, mas merecem ser lidos. Além de não serem muito compridos, são de linguagem fácil e acessível. Vale muito a pena conferir!

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Desafio Literário 2012 – Janeiro: Livros Tristes – Livro Dois: O Garoto no Convés


Peço desculpas pela ausência, queridos amigos. Não é fácil manter um blog como parece, às vezes cansa, mas a saudade e as minhas obrigações com vocês bateram e cá estou eu novamente. Então não irei perder mais tempo, estou voltando com tudo com a resenha do segundo livro lido pelo Desafio Literário!

Eu confesso que até agora estou meio sem palavras para esse livro. Infelizmente não é o livro mais vendável nem o mais famoso e conhecido do John Boyne, mas com certeza merecia ser, pois em minha opinião ele é bem melhor do que O Menino do Pijama Listrado.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Enigmas e Mistérios da Segunda Guerra Mundial - Jesús Hernández


“Quando Hitler estava no auge do poder, seguramente nunca lhe passou pela cabeça o humilhante destino que seu cadáver podia ter. Embora nada possa devolver a vida aos que morreram em consequência de sua loucura assassina, uma justiça poética conseguiu fazer com que seu corpo nunca mais possa repousar em paz, permanecendo para sempre em poder do inimigo que tentou derrotar.” (Pág. 185)

É com esta frase que começo a resenha desse livro incrível! Enigmas e Mistérios da Segunda Guerra Mundial é, sem dúvida, um dos meus livros favoritos, um dos primeiros que li sobre o gênero e que me despertou muita vontade de ler mais sobre o assunto.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

O que chegou para mim - Blog A Última Canafístula



Olá pessoal!

Peço desculpas pela demora mas finalmente consegui reunir um conteúdo bom para fazer um novo vídeo para vocês. Esse vídeo já é mais comprido do que o anterior, mas vale a pena assistir, viu?

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Eu Sou o Último Judeu - Chil Rajchman



Esse é um dos livros mais fortes que já li sobre Holocausto, juntamente com “Auschwitz – O Testemunho de um Médico” que também já foi resenhado aqui no blog.

Esse livro possui uma perspectiva diferente da que teve Miklos Nyiszli, o autor de “Auschwitz” porque aquele era um dos médicos auxiliares do campo, ele viu muitas atrocidades, mas não era um dos prisioneiros comuns que passaram por todas as provações e atrocidades que os carrascos nazistas impunham aos prisioneiros. Treblinka era um campo onde os métodos usados pelos nazistas eram bem piores do que em Auschwitz. Treblinka não era um campo de concentração como Auschwitz, Treblinka era um campo de extermínio onde as pessoas chegavam para morrer. Os poucos que eram selecionados para trabalhar sofriam atrocidades terríveis que são relatadas ao longo do livro.

sábado, 14 de janeiro de 2012

A Chave de Sarah - Tatiana de Rosnay


A Chave de Sarah é um daqueles livros que, se você ainda não leu, está perdendo tempo!

O livro narra, em forma de um belo romance de ficção histórica, um dos episódios mais sombrios da história da França e da Segunda Guerra Mundial: o Vélodrome D’Hiver, onde mais de 12 mil judeus foram aprisionados em condições deploráveis para serem enviados posteriormente para morrerem nos campos de extermínio.

Eu, que sou tão fascinada por Segunda Guerra Mundial e julgava já conhecer tudo sobre o conflito, fiquei de queixo caído com esse livro. Eu sequer sabia da existência do Vél’ D’Hiv e de suas consequências. A autora do livro, Tatiana de Rosnay, o escreveu justamente com esse intuito: fazer com que as pessoas conhecessem esse episódio tão negro da história e também relembrar os que já o conheciam. Não deixa de ser uma linda homenagem para aqueles que sofreram tanto naqueles sombrios dias de junho de 1942 em Paris.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Sexta-Feira 13: Uma data que lembra Stephen King

Olá queridos leitores!

Já que o assunto é sexta-feira 13, decidi fazer um post diferente hoje no blog. Não farei uma resenha, mas sim uma homenagem. E sendo a data de hoje uma sexta-feira 13, qual a primeira pessoa que virá na cabeça dos amantes da literatura?

"As pessoas me perguntam por que eu escrevo coisas tão brutas. Gosto de dizer que tenho um coração de menino - está guardado num vidro em cima da minha escrivaninha.”

A Garota da Capa Vermelha - Sarah Blakley Cartwright com David Leslie Johnson


Devo começar dizendo que simplesmente adorei essa releitura de Chapeuzinho Vermelho nesse estilo conto de fadas com esse visual meio dark. Admito que não curto muito esse tipo de leitura, mas desde que coloquei os olhos em A Garota da Capa Vermelha, eu não sosseguei até consegui-lo emprestado para ler.

Assim que o peguei em mãos, percebi que livro encantador eu tinha comigo. Além de ter uma capa linda, o livro segue todo aquele ritual de “Era uma vez...” e as letras das páginas possuem aquele ar de história medieval... Enfim, não sei se vocês me entendem, mas a editora trabalhou muito bem nisso, tentando inserir o leitor o máximo possível no ambiente da história, muito legal!

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Literatura Erótica – Livros que você precisa ler e livros que você precisa evitar.

Olá!

Literatura Hot é um gênero que sempre me interessou muito. Apesar de ter lido poucos livros sobre o tema, gostaria de compartilhar minhas experiências de leitura de livros eróticos com vocês e opinar quais merecem ser lidos e quais não merecem nem ser folheados – tudo isso com minha humilde opinião, claro. Então, vamos lá!

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Desafio Literário 2012 – Janeiro: Livros Tristes – Livro Um: Apátrida

Apátrida, livro da autora brasileira Ana Paula Bergamasco, me surpreendeu muito. É, sem dúvida, um livro muito elogiado por todos e reconheço que ele está à altura desses elogios. Não é muito comum ver livros sobre Segunda Guerra Mundial escrito por brasileiros – ainda mais romances – então este livro foi uma surpresa bem agradável para mim, que amo esse gênero.

sábado, 7 de janeiro de 2012

Dia 07 de Janeiro – Dia do Leitor


Olá, pessoal! Parabéns para todos nós! Sim, porque nós merecemos. Afinal, hoje é o nosso dia! E para comemorar essa data tão especial para a gente, resolvi fazer uma resenha diferente hoje. Já que estamos no dia do leitor, que tal falarmos sobre o começo de cada um nesse mundo tão incrível que é a leitura?

Bom, o meu começo na leitura foi bem cedo. Eu fui uma criança muito curiosa e desde pequena sempre me interessei por leitura. Mas não foi algo que nasceu comigo, que despertou dentro de mim do nada... Eu tive uma fonte de inspiração muito grande, um ótimo incentivo: minha mãe.

Resenha 2 em 1 - Coleção Holocaust Remembrance: Series For Young Readers


Para desculpar-me de meu sumiço de um dia aqui no blog, decidi fazer uma resenha 2 em 1, que tal? Os dois livros escolhidos são especiais para mim, dois livros que gosto muito e que me ensinaram bastante. São eles A Mala de Hana (Karen Levine) e Escondendo Edith (Kathy Kacer). Eles fazem parte da série Holocaust Remembrance: Series For Young Readers, que são livrinhos que contam histórias reais de crianças no Holocausto.

Que tal começar por A Mala de Hana?

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Operação Valkíria - Jesús Hernández



Quem me conhece já sabe o quanto sou suspeita para falar dos livros desse autor que eu simplesmente adoro – Tanto seu trabalho quanto a pessoa maravilhosa que é. Jesús Hernández, além de um grande amigo, é um grande escritor e historiador espanhol que já publicou diversos livros sobre a Segunda Guerra Mundial.

Nesta obra, publicada no Brasil pela editora Novo Século, nos surpreendemos logo ao abrir o livro. Se você pensa que já vai começar lendo sobre a Operação Valkíria e o tão famoso Stauffenberg, enganou-se. Surpreendi-me, pois o autor, primeiramente, conta detalhes muito interessantes de sua viagem à Polônia, onde visitou diversos lugares históricos – inclusive a famosa “Toca do Lobo”, onde Stauffenberg detonou a bomba para acabar com a vida de Hitler – e inicia seu livro relatando outros atentados que Hitler sofreu, tanto de pessoas comuns quanto de grupos de resistência mais elaborados.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Auschwitz: O Testemunho de um Médico - Miklos Nyiszli


Esse, sem dúvida, é o livro mais forte que já li sobre Holocausto e Segunda Guerra Mundial. Acho que só “O Último Judeu” faz parâmetro, mas esse, ainda assim, consegue ser o mais forte e chocante que já li.

Quem conhece a Karen Pereira, a verdadeira pessoa por trás do pseudônimo de Anne Marie, sabe o quanto eu sou completamente louca por esses assuntos. Sempre estou lendo cada vez mais livros, assistindo filmes, vendo séries e documentários sobre a Segunda Guerra Mundial e tudo o que a envolve. Pensei que já tinha lido e visto de tudo. Mas o relato desse médico húngaro que esteve em Auschwitz e trabalhou com o carrasco Josef Mengele me surpreendeu.

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Eu Amei Victoria Blue - Estévão Romane


Primeiramente, peço desculpas aos meus queridos seguidores por não ter dado as caras nesses dias 31 de dezembro e 1º de janeiro, mas como eram datas especiais, resolvi dar uma folguinha para mim mesma, hehe. Mas cá estou eu novamente!

Bom, o livro resenhado da vez será “Eu amei Victoria Blue” de Estévão Romane. Esse livro foi lido através de uma cortesia da Amanda do Livro Viajante, grupo maravilhoso do skoob. Quem ainda não participa, está perdendo tempo.

Mas vamos ao que interessa.

Um dos pontos fortes do livro é a capa. A capa é linda, com uma mulher que além de muito bonita, é super atraente. Como fundo, o cenário de Nova York. Sei que é errado julgar um livro pela capa, mas um livro com uma capa bonita, chamativa e interessante desperta o interesse em qualquer um. Ponto positivo para a editora, que acertou em cheio.

Só que infelizmente o livro não é tão legal quanto a sua capa.